Fragrância de nuvem a devastar meu peito...
Amor que me estanca e esgarça os medos...
Lua terna, por que ainda insistes em teu prelúdio doce?
Ouve o vento! Preenche as marés com meu sangue ácido,
estranha e dolorosa Lua, a iludir as ondas desta paixão sem rima...
Vê que meus beijos tangem novas tempestades,
e minha boca, amante, cristaliza a gargalhada entre os dedos.

Guacira Sampaio Rocha
(junho de 2003)

A ARTE DE GUACIRA SAMPAIO ROCHA 2008

Todos os direitos reservados